arte na periferia: Rogério Sganzerla: o ideal de um cinema popular intelectualmente refinado

8 de junho de 2010

Rogério Sganzerla: o ideal de um cinema popular intelectualmente refinado

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/746638-mostra-traz-a-face-culta-do-cineasta-popular-rogerio-sganzerla.shtml

08/06/2010-07h36

Mostra traz a face culta do cineasta popular Rogério Sganzerla

ANA PAULA SOUSA
DE SÃO PAULO

Rogério Sganzerla (1946-2004) repetia que "um país sem cinema é como um povo sem eletricidade". Não sem dificuldades, levou a cabo seu cinema. Mas, exceção feita aos primeiros filmes, morreu sem conseguir fazer com que as imagens chegassem, de fato, ao povo.

Musa do Cinema Novo diz que marido cineasta foi grande pensador

"Ele achava que o Brasil precisava de um cinema que fosse popular e intelectual", diz Joel Pizzini, um dos curadores da Ocupação.

Nos dois primeiros filmes, "O Bandido da Luz Vermelha" (1968) e "A Mulher de Todos" (1969), Sganzerla realizou sua utopia. Mas vieram revezes. As luzes apagadas.

"Ele teve dois longos períodos sem filmar e, além disso, ficou com a obra dispersa", conta Pizzini. "Pela primeira vez, será feito um diagnóstico do acervo, um raio-x de tudo que ele deixou."

A Ocupação reúne filmes inacabados, como "O Anjo Mijou Fora do Baralho", feito na África, o roteiro inédito de "Voodoo Chile", ao qual a Folha teve acesso com exclusividade, anotações e uma câmera Super-8.

O público percorrerá, assim, a vida do artista que até os cinco anos não falava uma só palavra e, aos sete, foi sozinho a uma gráfica para imprimir um livrinho com os contos que escrevera.

Padre Cinéfilo

Menino de gostos atípicos, nascido em Joaçaba (SC), Sganzerla aproximou-se do cinema graças a um padre do colégio Marista, em Florianópolis. Ao notar que o garoto não tinha aptidão para os esportes, o religioso decidiu encaminhá-lo para o cineclube. Era um jeito de evitar que caísse em tentação.

Sganzerla caiu de amores pelo cinema. Aos 15 anos, ao mudar-se para São Paulo, virou rato da Cinemateca e, aos 16 anos, tornou-se crítico. Mas, desde o primeiro momento, escrevia como quem desejava, no fundo, filmar.

Foi assim que, em 1966, foi para detrás das câmeras, no curta de ficção "Documentário". Dois anos mais tarde, conheceria o sucesso de público com "O Bandido...".

Viria depois "A Mulher de Todos", feito com um produtor da Boca do Lixo paulistana. "O cinema novo diminuía o valor dos filmes porque tiveram sucesso popular. A direita também não queria saber deles e ainda ameaçava a gente de prisão", diz Helena Ignez, sua mulher.

Sganzerla faria um terceiro filme, "Sem Essa, Aranha", em 1970, antes de exilar-se na África. Só voltaria ao cinema em 1977, com "O Abismo" --que lhe custou um apartamento.

Parou de novo. Começou a estudar arqueologia, literatura grega e fez curtas sobre Jimmy Hendrix e Noel Rosa até que fosse absorvido pela paixão que o seguiu até o fim: Orson Welles, o gênio que o sistema havia calado.

"Ele sofria com a dificuldade econômica de se fazer cinema no Brasil, mas me parece que tinha também um certo cansaço com o que chamava de gosto médio", diz Pizzini. Agora, seu caos voltou. Parcialmente restaurado. Razoavelmente organizado.

Divulgação
O  cineasta brasileiro Rogério Sganzerla em Locarno, na Suíça
O cineasta brasileiro Rogério Sganzerla, cuja obra será revisitada em mostra no Itaú Cultural, em São Paulo

OCUPAÇÃO ROGÉRIO SGANZERLA
ONDE: Itaú Cultural, av. Paulista, 149, tel. 0/xx/11/2168-1777
QUANDO: ter. a sex., das 9h às 20h; sáb. e dom., das 11h às 20h; até 18 de julho
QUANTO: entrada franca

Nenhum comentário:

RECOMENDAR