arte na periferia: Mapa do crime revela as áreas perigosas

18 de agosto de 2008

Mapa do crime revela as áreas perigosas

Folha de São Paulo, 06/08/2008:

Informações inéditas da polícia de SP mostram que periferia tem mais crimes contra a vida e áreas ricas, mais crimes contra o patrimônio

Jardim Herculano, Capão Redondo e Parque Santo Antônio formam "triângulo da morte'; zona oeste tem mais furto e roubo de veículos

ANDRÉ CARAMANTE
EVANDRO SPINELLI
DA REPORTAGEM LOCAL
Dados inéditos do setor de inteligência da polícia de São Paulo, obtidos pela Folha, revelam como se distribui, distrito a distrito, a criminalidade pela cidade de São Paulo.
Os números, do segundo trimestre deste ano, mostram que a violência se espalha pela cidade, mas segue lógica própria.
Os crimes contra vida (homicídios e estupro) atingem, principalmente, as regiões mais pobres. Os crimes contra o patrimônio (roubos, furtos e latrocínio) se concentram na região central e em bairros mais ricos.
No primeiro caso, destaca-se o chamado "triângulo da morte", formado pelas regiões dos distritos policiais de Jardim Herculano, Capão Redondo e Parque Santo Antônio, onde 31,5% dos domicílios têm renda de até três salários mínimos.
Na área formada por essas três delegacias, que inclui bairros como Jardim Ângela e Jardim São Luis, ocorreram 44 homicídios nos meses de abril, maio e junho -14,7 por mês em média-, ou seja, 14,5% dos casos da cidade no período (303).

Crimes patrimoniais
Dos chamados crimes contra o patrimônio, o furto de veículos é uma das principais referências para a lógica da violência na cidade.
A análise dos números da polícia permite dizer que esse tipo de crime é mais freqüente na área formada por bairros como Perdizes, Lapa e Pinheiros, todos na zona oeste, onde 52,3% das residências têm renda superior a 20 salários mínimos.
Essa mesma área da zona oeste, aliada ao centro e aos Jardins, é responsável ainda pelos mais altos índices de outros furtos (celulares, carteiras, arrombamentos em residências etc.) e roubos (praticados sob grave ameaça, com a utilização de arma, por exemplo). Na classificação da polícia, os Jardins estão na área central.
Os números do Mapa da Violência fazem parte da base de dados da CAP (Coordenadoria de Análise e Planejamento), órgão da Secretaria da Segurança Pública que estuda a criminalidade a fim de adequar a utilização das forças de segurança no policiamento da cidade.
Desde 2002, os governos Geraldo Alckmin (PSDB), Cláudio Lembo (PFL, hoje DEM) e José Serra (PSDB) divulgam só os dados macros da cidade, sem dividi-los por distritos policiais ou seccionais, como a Folha os apresenta nesta edição.
Ao longo desse período, a reportagem pediu várias vezes essas informações à secretaria por considerá-las de interesse público, mas não as conseguiu.
Os dados que a Folha revela não incluem crimes registrados em delegacias especializadas -como o Deic (roubos) e o Denarc (drogas)-, o que pode causar diferenças em relação às informações gerais do site da secretaria (www.ssp.sp.gov.br/estatisticas).
Entre 2004 e 2007, o governo paulista chegou a divulgar estatísticas criminais erradas. Só em crimes patrimoniais como seqüestro, roubo a banco, de veículos e de carga, mais de 16 mil ocorrências ficaram de fora da contagem oficial.

Outros crimes
Os números apontam ainda as regiões com maior incidência de roubo a banco, roubo de carga, estupro e tráfico de drogas. Roubos a banco estão concentrados em uma área da zona sul (Santo Amaro, Ibirapuera, Vila Clementino, Campo Limpo e Cidade Ademar) e em um trecho da zona oeste (Perdizes, Pinheiros e Itaim Bibi). Juntos, os bairros têm 50% dos roubos a banco entre abril e junho.
Os de carga acontecem predominantemente nas áreas próximas às rodovias Régis Bittencourt, Presidente Dutra e Fernão Dias, além da área central, que inclui as regiões de comércio popular do Brás e ruas 25 de Março e Santa Ifigênia.
Os estupros ocorrem principalmente nos extremos da cidade. O tráfico, na zona norte.
Zona oeste é recordista em latrocínios
Dos 29 casos da capital paulista, nove foram registrados na região no primeiro semestre deste ano

DA REPORTAGEM LOCAL
A rua Mário, na Lapa, zona oeste de São Paulo, é de casas de um lado. Do outro lado, um muro grande, todo grafitado, delimita território de uma antiga escola, hoje uma coordenadoria de ensino. Foi lá que, no ano passado, três garotos de 18 anos, que tentavam levar o carro da família, roubaram a vida do físico da USP Georgi Lucke, que tinha 71 anos.
"Se ele estivesse aqui, a casa estaria cheia. Georgi era muito falante, tocava piano, fazia poesia -meu marido era muito inteligente e muito culto. Agora, ficou esse vazio e o medo." As lembranças são da professora Ignez Jorge Lucki, 67, casada desde 1968 com o físico, nascido na Ucrânia e uma das maiores autoridades brasileiras em controle de radiatividade e energia nuclear.
A família Lucki mora desde 1968 no sobrado. Foi lá que os quatro filhos do casal -Georgi Júnior, Flávio, Ricardo e Natália- foram criados.
Naquela noite de maio do ano passado, Ignez despedia-se da filha Natália, na porta de casa. Os dois cachorros enormes da casa, os pastores alemães Thor e Milly, divertiam-se na rua, enquanto mãe, filha e genro dirigiam-se ao carro dela, conversando. Da esquina, por volta das 20h, vinham três rapazes, caminhando e conversando. Tudo tranqüilo.
Mas os cachorros começaram a latir, nervosos e agressivos. A mãe, então, recolheu os animais, que ficaram atrás dos muros altos da residência.
"Obrigado, dona!", chegou a dizer um dos meninos. E o outro completou: "Mas isso é um assalto". "Passa a chave, passa a chave", disse, referindo-se à chave do carro de Natália.
Armas em punho, um agarrou a professora, chacoalhando-a enquanto ela gritava por socorro. Outro deu uma gravata na filha. O terceiro incumbiu-se de render o marido dela.
O professor Lucki, que havia chegado da USP e jantava na cozinha, correu assustado para fora da casa. Foram três tiros. Um, na axila, perfurou a veia aorta. Já caído no chão, foi alvejado na cabeça. A bala parou no maxilar.
Meia hora depois, Lucki morreu no hospital, o pulmão cheio de sangue, asfixiado. Os jovens fugiram, levando consigo a bolsa da filha com cartões, documentos e celular.
No primeiro semestre de 2007, o caso do professor foi um entre 16. No primeiro semestre de 2008, houve um acréscimo de 81%. As vítimas foram 29.
Isoladamente, no primeiro semestre de 2007, duas pessoas perderam a vida em assaltos na zona oeste. Em 2008, esse número saltou para 9 pessoas, fazendo a região a recordista.
No caso do professor Lucki, a polícia chegou 10 minutos depois do crime. Três suspeitos foram presos em janeiro em São Paulo.
"Minha mãe comportou-se como uma cidadã respeitadora dos direitos dos outros. Ela recolheu os cachorros para que não incomodassem os passantes. E o que recebemos foi dor e sofrimento. Agora, eu diria: "Pega!" O medo tomou conta de nós", diz Ricardo. Na porta da casa, o velho Dodge do professor segue estacionado.
(LC)

"Triângulo da morte", no extremo sul, tem 14,5% dos homicídios
Foram 44 assassinatos no local no segundo trimestre deste ano; região engloba Capão Redondo, Jd. São Luís e Jd. Ângela

Zona sul, como um todo, responde por 230 dos 630 homicídios registrados na capital; mesmo assim, área reduziu mortes em 9,4%

LUIS KAWAGUTI
DA REPORTAGEM LOCAL

Na escola estadual da rua Dona Virginia, no Jardim São Luís, na zona sul, o assunto dos pais de alunos anteontem era o homem morto com dois tiros no peito a 300 metros da instituição. O cadáver, de um desconhecido, reforça as estatísticas da polícia, segundo as quais o extremo sul é a região mais violenta de São Paulo com 177 homicídios no primeiro semestre deste ano -ou seja, 28% dos assassinatos ocorridos na cidade.
Segundo as estatísticas do governo de São Paulo, ocorreram 630 assassinatos na capital no primeiro semestre -cerca de 3,4 mortes por dia. Desse total, a Secretaria da Segurança Pública não soube definir onde três casos ocorreram.
A zona sul como um todo (o extremo sul e bairros mais próximos do centro, como Santo Amaro e Brooklin) ficou em primeiro lugar, com 230 casos registrados. A segunda região em número de homicídios foi a zona leste (198), seguida pela zona oeste (77), zona norte (74) e centro (48).

"Triângulo da morte"
O corpo do desconhecido foi encontrado às 4h de anteontem por uma testemunha anônima na região do 100º Distrito Policial (Jardim Herculano), uma das três delegacias que formam o "triângulo da morte" -que registraram os maiores índices de homicídios no último trimestre.
Os outros dois vértices do triângulo são o 47º DP (Capão Redondo) e o 92º DP (Parque Santo Antônio). Eles englobam, de forma aproximada, Capão Redondo, Jardim São Luís e Jardim Ângela, regiões que, segundo estatísticas deste ano da Prefeitura de São Paulo, concentram 261 favelas.
Nessas regiões, entre 27% (Jardim São Luís) e 36% (Jardim Ângela) das famílias sobrevivem com menos de três salários mínimos por mês. Em Perdizes, por exemplo, esse índice não chega a 4%.
Só no triângulo da morte foram registrados no segundo trimestre deste ano 44 homicídios. No mesmo período, em todos os 93 distritos policiais da capital, foram 303 assassinatos, segundo as estatísticas.
Na área do 100º DP, aconteceram 18 casos, na do 47º DP, 14 crimes e, na do 92º DP, 12. O assassinato de anteontem -um dos mais recentes na área do 100º DP- entrará na estatística do 3º trimestre de 2008.
Segundo a polícia, testemunhas ouviram cinco tiros em outro ponto do bairro durante a madrugada; a rua Dona Virgínia, sem pavimentação e repleta de mato e lixo, foi o local escolhido pelos assassinos para se livrar do cadáver sem chamar a atenção de testemunhas.
"Eu moro há 40 anos nesse bairro e sou evangélico. Já vi gente ser morta na porta da igreja. Esse assassinato não é surpresa para a gente", disse o vigilante Celso Nepomuceno, 43, que levava a filha de 7 anos para escola.
Apesar de ser a mais violenta, a zona sul é também a que mais tem reduzido a criminalidade. Em relação ao primeiro semestre de 2007, teve 24 assassinatos a menos neste ano, uma redução de 9,4%. Para a polícia, a tendência -que vem se mantendo- se deve à redução das armas de fogo em circulação desde a entrada em vigor do estatuto do desarmamento, ao fechamento mais cedo de bares e à abertura de escolas para lazer nos fins de semana.

Campo Limpo e Capão lideram em estupros
Bairros, que ficam no extremo da zona sul, tiveram dez casos cada um no segundo trimestre deste ano

DA REPORTAGEM LOCAL
Os extremos de São Paulo nas zonas sul, leste e norte concentram o maior índice de casos de estupro.
No segundo trimestre deste ano foram registrados 166 estupros nos 93 distritos policiais da cidade, sendo 71 casos (42,8%) em 14 delegacias localizadas nos extremos da capital.
Os dados não computam as delegacias especializadas, como as oito delegacias de defesa da mulher. No total da cidade, segundo o site da Secretaria da Segurança Pública, foram 262 casos no trimestre.
O extremo sul teve, somados, 29 casos de estupro no período de abril a junho. Os campeões foram Campo Limpo (37º DP) e Capão Redondo (47º DP), ambos com dez casos cada um. Na delegacia do Jardim Herculano (100º DP), foram cinco casos. O Jardim Miriam (98º DP) contabilizou quatro casos.
As delegacias do extremo leste registraram 23 casos entre abril e junho deste ano. Foram seis casos no Itaim Paulista (50º DP), cinco no Parque do Carmo (53º DP), e quatro nos distritos de Jardim dos Ipês (59º DP), Itaquera (32º DP) e Cohab 2 Itaquera (103º DP).
No extremo norte foram 19 casos no total, seis em Parada de Taipas (74º DP), cinco em Vila Amália (38º DP) e quatro na Vila Penteado (72º DP) e no Jaçanã (73º DP).
A única delegacia no topo do ranking de estupros que não fica em um extremo da cidade é o de Vila Matilde (21º DP, zona leste), com quatro casos.
Na zona sul, as delegacias que aparecem no topo do ranking de estupros surgem também entre as campeãs de homicídios. É o caso dos distritos policiais de Jardim Herculano, Capão Redondo, Jardim Miriam e Campo Limpo. Já nas zonas leste e norte, o estupro é praticamente o único crime que preocupa, com exceção do Jaçanã (zona norte), nono colocado no ranking de homicídios, e Itaim Paulista, sexto na lista de registros de roubo de carga.
Zona sul também reúne tentativas de homicídio
DA REPORTAGEM LOCAL
Assim como ocorre com homicídios dolosos (intencionais), a área do "Triângulo da Morte", no extremo sul da capital e onde estão as 13 delegacias da Polícia Civil da 6ª seccional Santo Amaro, também é a região onde mais se comete tentativas de homicídios.
Dos 580 casos da capital no primeiro semestre, 145 ocorreram na região. Isso representa 25% do total de atentados contra a vida.
Com 86 casos, a região da zona oeste, onde estão os 14 distritos policiais da 3ª seccional, é a segunda onde mais ocorrerem casos de tentativa de homicídio na capital: nos primeiros seis meses deste ano, foram 86 vítimas -14,9% de todos os casos.
(AC)
Zona oeste é líder em assaltos a bancos
Região registrou 25 casos no primeiro semestre deste ano, segundo levantamento do setor de inteligência da Polícia Civil

Das 5 delegacias com mais registros, 3 estão na região: 37º DP (Campo Limpo), 15º DP (Itaim Bibi) e 14º DP (Pinheiros), com 3 casos cada

PAULO SAMPAIO
DA REPORTAGEM LOCAL

Além de clientes, a agência do Bradesco do Jardim Peri-Peri, zona oeste, parece estar atraindo a preferência dos criminosos que antes se espalhavam em roubos pela redondeza. Inaugurada há cerca de um ano, foi assaltada três vezes. Na última delas, 15 dias atrás, houve tiroteio, perseguição, atropelamento -e três mortes.
"Tinha muito roubo aqui na região. Aí, eles abriram o banco, os assaltantes vão pra lá", acredita a comerciante Cristina Jardim, 21, que trabalha no armazém do pai, na esquina oposta à da agência; ela diz que já foi assaltada "muitas vezes".
De acordo com levantamento do setor de inteligência da Polícia Civil, a zona oeste é a líder em assaltos a bancos na capital paulista, com 25 registros no primeiro semestre. Das delegacias com mais registros, três estão na região: 37º DP (Campo Limpo), 15º DP (Itaim Bibi) e 14º DP (Pinheiros), com três casos cada.
Em números absolutos, o 11º DP (Santo Amaro), na zona sul, é o campeão de ocorrências, com quatro.
A assessoria do Bradesco diz que a agência está equipada com dispositivos de segurança exigidos pelo Banco Central.
Apesar das vítimas, o evento resultou numa tentativa de assalto. Conforme a polícia, dois dos seis bandidos ficaram presos no detector de metais, por volta do meio-dia. O segurança desconfiou e avisou a um policial de folga que, por coincidência, estava no banco.
Ao perceber o movimento dos policiais, os bandidos reagiram atirando. Seguiu-se uma perseguição. Logo, carros do Grupo de Operações Especiais (GOE) apareceram no local.
A universitária Camila Mateus, 22, vizinha de porta do banco, achou mais prudente assistir pela TV ao que estava acontecendo ao lado de casa. Camila poderia manter o aparelho ligado, mas sem som, já que os ruídos da aterrorizante empreitada ela ouvia em tempo real. "Minha mãe disse que ninguém sairia de casa."
O dono de uma borracharia a menos de 100 m dali tinha acabado de atender um motoqueiro. "Assim que o rapaz foi embora, ouvi barulho de estouro de escapamento. Não parava mais. Pensei: "Esse cara vai acabar com o escapamento'", conta o borracheiro Osvaldo (que não diz sobrenome nem idade), sem atinar que o "barulho de estouro" eram os tiros.
Em frente à borracharia estava o Astra prata que os bandidos usaram para a fuga. Presos no trânsito, a menos de 50 m dali, eles deram um cavalo-de-pau no primeiro cruzamento, pegaram a pista no sentido contrário, resvalaram em uma menina de sete anos que atravessava a rua com a mãe e bateram em um muro. A menina sofreu escoriações leves.

Tiro no vencedor
O primeiro a morrer foi Rafael Ferraz Terra, 23, policial do GOE que estava no banco à paisana. "Ele trabalhou naquela noite, mas acordou antes das 10. Estava esperando dar a hora do rodízio para ir ao banco", conta a mãe de Rafael, a dona-de-casa Walkiria. Criado no Limão (zona norte), Rafael foi o primeiro colocado de 2001 no concurso para investigador policial. Eram cerca de 80 mil candidatos para 300 vagas.
As duas outras vítimas eram os bandidos. Morreram ao final da perseguição, alvejados pelo instrutor de tiros da academia da Polícia Militar Carlos Henrique Mendes Navas, 38, o Caíque, outro policial do GOE de passagem à paisana pelo local.
"A polícia esqueceu um pouco da gente aqui", queixa-se Augusto Ferreira, 23, dono da padaria que fica em frente ao local onde os bandidos rodopiaram para pegar a outra pista.
Região da Régis é campeã em roubos de carga
DA REPORTAGEM LOCAL
O roubo de cargas em São Paulo se concentra nos bairros próximos a algumas das principais rodovias que cortam a cidade: Régis Bittencourt, Fernão Dias, Presidente Dutra e Ayrton Senna.
O distrito policial com maior número de ocorrências no segundo trimestre deste ano foi o de Capão Redondo (47º DP), com 48 casos. O 37º DP (Campo Limpo) surge em terceiro lugar nesse ranking, com 42. As duas delegacias atendem a área da Régis Bittencourt.
O vice-campeão de roubo de cargas é o 90º DP (Parque Novo Mundo), com 45 casos na área onde se encontram a Fernão Dias e a Presidente Dutra.
Outro local que é alvo constante do roubo de carga é a região central de São Paulo -1º DP (Liberdade) e 12º DP (Pari)-, onde ficam áreas de comércio popular, como o bairro do Brás e a rua 25 de Março.
No primeiro semestre foram registrados 1.819 casos de roubo de cargas na capital paulista, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, com 20,6% das ocorrências no extremo sul (área da 6ª Delegacia Seccional).



6 comentários:

ARTE NA PERIFERIA disse...

Isso é foda, não podemos continuar sendo o Triangulo da Morte. Temos que nos reiventar, criar e ocupar espaços e parar de matar os nossos...
Já fizemos muito, mas há tanto pra se fazer ainda...
a luta nunca acaba.

peu

Juliana disse...

concordo com você Peu. E além disso, é interessante notar como a mídia televisiva faz grande alarde às propriedades das elites e não se preocupa com as vidas perdidas ou violadas. Afinal, sabemos que para alguns a propriedade importa mais que a vida infelizmente.

Juliana disse...

sou aluna da Rose, estive aí com vocês pra exibir o filme, vocês lembram? Ainda não terminei aquele texto, mas logo que ficar pronto mando pra vocês lerem.
abraços

Anônimo disse...

Tenho um conheçido que foi assassinado no Jd Herculano, em Junho de 2010...Um pai de família trabalhador de bem, estava voltando do trabalho (ele era taxista,deram um tiro na sua cabeça)Até hoje não sabemos o que realmente aconteçeu..Pode ser que pelas leis dos homens eles não pagam...Mas lembrem-se, que o tempo não para, e um dia eles prestaram contas com um ser superior....

Cristian disse...

Público deve ser mais mapas de crime que as pessoas possam evitar passar por esses lugares ou pelo menos no caso de ter que ir lá fora, foi através do borracheiro para verificar o status do seu carro e ir rapidamente.

Anônimo disse...

[p]I would wear UGGs, sweat pants [url=http://www.newcheapuggbootsau.co.uk]cheap ugg boots sale[/url] including a North Face jacket . Related Articles - UGG, Shoes, Email this Article to a Friend! Receive Articles like this one direct to your email box!Subscribe for free today! . When such [url=http://www.newcheapuggbootsau.co.uk]chestnut ugg boots[/url] a very appreciated color encounters classic ugg styles, a blockbuster pops out in the fashion crowd . For each bloody straight men, wearing snow boots is really somewhat difficult to accept, prefer frozen toes, they wouldn't be considered "too mother . The boots should not be too tight causing the little [url=http://www.newcheapuggbootsau.co.uk]new ugg boots[/url] tootsies not move freely inside the boots . No description If you want to belong to UGG Boots Women's Predator X Fg Soccer Cleat , there are some information you have to know before making a decision to buy it . Ugg, a legendary brand, The one first saw Ugg snow boots will not like Ugg simple-minded cartoon appearance ,but does such these boots,swept the European and American earth, because of many European [url=http://www.newcheapuggbootsau.co.uk]ugg boots australia[/url] and American stars Street pats have sufficient terengganu uggs leather boots pretty appearance and Ugg sweep of popular wind continues to explode . Y o u c o u l d t r u l y f e e l t h e u p m o s t c o n v e n i e n c e i n e a c h o f t h e u g g b o o t s [url=http://www.newcheapuggbootsau.co.uk]cheap ugg boots[/url] c l e a r a n c e f o o t w e a r.[/p]

RECOMENDAR