arte na periferia: Cultura marginal: leia a crítica de "Curta Saraus"

23 de novembro de 2010

Cultura marginal: leia a crítica de "Curta Saraus"


Depois de ganharmos nosso primeiro premio com o filme curta saraus de melhor filme no festival de filmes competitivos de interior, vamo para o festival de ITU. Leia abaixo crítica do filme.

Por Renan Pereira

Documentário mostra ao longo dos seus 15 minutos o poder da arte e das manifestações culturais nas periferias de São Paulo




“Cuidado com os poetas. Esses caras são uns subversivos; propagam indignação e desordem. Se acham no direito de mudar o mundo. Cuidado! Eles estão por toda parte: são bruxos e bruxas cujo ritual mais sagrado se chama Sarau”. É assim que a voz de um poeta anuncia o que está por vir ao longo dos 15 minutos deste maravilhoso vídeo-documentário.

“Curta Saraus” faz um panorama da proliferação dos Saraus nas periferias de São Paulo - movimentos comandados por ímpeto da cultura marginal e desenvolvidos por artistas locais que têm o poder de transformar, por meio da arte, o cotidiano sofrível de quem vive em meio ao desemprego e ao fogo cruzado. Sem dúvida, um dos vídeos-documentários mais lindos que já assisti sobre movimentos de resistência.

Dirigido por David Alves da Silva, o curta tem tom de protesto e é marcado pelas frases de efeito dos artistas entrevistados. “Na periferia não tem teatro, não tem museu, não tem biblioteca e nem cinema. O único espaço público que o Estado nos deu foi o bar. Você imaginar que a gente ia se acabar bebendo cachaça... e a gente acabou transformando os bares em centro-cultural... Então não tem mais como controlar a gente: o que não falta é bar na periferia”, exclama em uma das cenas o poeta Sergio Vaz.

Se você é uma pessoa ligada à cultura independente ou simplesmente tem o dom de enxergar as injustiças sociais com ao menos um pingo de indignação, não deixe de assistir esse curta e entender como funciona a organização da cultura alternativa nestes pequenos becos. Afinal, "o ônibus está lotado... de vidas vazias”. Do it yourself!

Nenhum comentário:

RECOMENDAR