arte na periferia: CULTURA PERIFÉRICA

6 de maio de 2008

CULTURA PERIFÉRICA

Pequenas revoluções

Em São Paulo, mais de cem projetos culturais passam a ter financiamento público, por meio do VAI. Quase sempre propostos por jovens, e a partir das quebradas, eles revelam as raízes e o amadurecimento rápido da arte nas periferias. Também indicam uma interessante preferência pela literatura

Eleilson Leite

Começou em abril passado mais uma temporada do VAI – Valorização de Iniciativas Culturais, programa da secretaria de Cultura de São Paulo que financia projetos de jovens, grupos juvenis e organizações culturais da periferia. Esta é a quinta edição do VAI, iniciado em 2004. São 103 projetos selecionados entre mais de 700, inscritos no edital lançado no final do ano passado. Cada uma das propostas contempladas receberá R$ 18 mil reais para realizar suas atividades até dezembro. O recurso é depositado diretamente na conta do beneficiado, seja pessoa física ou jurídica. Um investimento de R$ 1,8 milhão muitíssimo bem aplicado. Certamente, o VAI é uma das verbas mais bem executadas da prefeitura de São Paulo.

Dei uma olhada na lista dos contemplados do VAI/2008. O perfil, até onde pude examinar é bastante interessante. Dos 103 projetos aprovados, somente 12 são de pessoas jurídicas. Dentre estas tem uma escola municipal, representada pela APM – Associação de Pais e Mestres. Outro destaque entre as PJs é a Associação Guarani Nhe Porã, de uma das aldeias indígenas de Parelheiros que apresentaram um projeto na área de audiovisual. Embora pequena, considero importante a presença de organizações juridicamente constituídas. É um sinal de maturidade do movimento cultural periférico. Várias rodas de samba, por exemplo, já são ONGs, como é o caso do Samba da Vela e o Samba da Laje. A Cooperifa, além de ser uma associação também tem título de OSCIP- Organização da Sociedade Civil de Interesse Público. Isso confere a essas organizações uma condição interessante para captar recursos e buscar sustentabilidade. Podem, entre outras opções, se tornar Pontos de Cultura, uma iniciativa do ministério da Cultura que vai na mesma direção do VAI.

Não obstante, o VAI mantém seu foco prioritário na pessoa física e isso é muito correto. As organizações que receberão apoio já têm consciência que este é um primeiro impulso. Daqui para frente é bom buscar outras fontes, porque o VAI também procura considerar o ineditismo dos projetos e a curta trajetória dos proponentes. A Cooperifa não foi contemplada na edição do ano passado, certamente porque já era um movimento consolidado. As pessoas jurídicas apoiadas pelo programa em geral têm baixa institucionalidade e o recurso será muito importante para a sua afirmação.

E quem são as 91 pessoas físicas aprovadas no edital? São jovens cheios de motivação e criatividade. Somente quatro deles têm 30 anos ou mais. Por outro lado, 17 têm entre 18 e 20 anos. O restante está na faixa dos 21 aos 29. Soube que a organização do VAI pretende estimular ainda mais a presença de jovens com menos de 20 anos e principalmente aqueles que ainda estão no ensino médio. A grande maioria dos aprovados já saiu da escola. Muitos cursam faculdade e outros tantos já se formaram. Sei de um que faz pós-graduação, por sinal é o único com mais de 30 anos.Todos os jovens aprovados são de baixa renda e moradores de bairros periféricos. A maioria é da Zonal Sul que teve 40 projetos aprovados. A Zona Leste vem logo atrás, com 31 propostas. A Zona Norte tem 14 e a Zona Oeste ficou com 7.

Quanto à temática dos projetos, a análise comprova uma tendência já observada em textos anteriores desta coluna: a literatura é a linguagem artística cujo interesse mais cresce na periferia. Vinte iniciativas tratam das letras. Tem projetos de livros, revistas, fanzines, saraus, oficinas, vídeo e teatro. Todos tendo a literatura como foco. Empatado no topo da lista vem o teatro, com o mesmo número de projetos. Há 19 iniciativas dentro de um universo temático que inclui artes visuais, multimídia e audiovisual. Música ficou com 8 projetos e Cultura Popular recebeu 7. Depois, vêm Hip Hop, e Artes Plásticas, com 7 e 6 propostas respectivamente. Entre os temas com menor número de propostas estão dança (dois projetos) e circo, capoeira e rádio (apenas uma proposta cada).
Literatura e teatro, tradicionalmente associados ao gosto da elite, são as linguagens com maior presença. A massa nas quebradas está assando um biscoito muito fino, que a elite há de experimentar

Espero que sociólogos e demais estudiosos se interessem por esses dados. Vejam que curioso. Os temas que tradicionalmente estiveram mais associados ao gosto da elite, a literatura e o teatro, são as linguagens com maior presença entre os projetos da periferia. Isso merece uma boa reflexão. Se juntarmos artes plásticas, multimídia e artes visuais, fica ainda mais acentuada a evidência de que a ampliação do acesso aos meios, somada a uma política pública, faz emergir, no subúrbio, um movimento cultural muito consistente, criativo e sofisticado. Está aí uma hipótese a ser investigada. O certo é que a massa nas quebradas está assando um biscoito muito fino, que a elite há de experimentar.

Durante nove meses, portanto, assistiremos a uma movimentação cultural intensa e vibrante por toda a periferia de São Paulo. Muitos dos resultados serão divulgados na Agenda Cultural da Periferia. As 16 páginas deste guia passarão a ser disputadas, linha por linha, por vários projetos. Até porque a Agenda serviu de portfólio para muitos dos pleiteantes do VAI, que puderam comprovar sua existência artística por meio desta publicação. Em boa hora, a Agenda da Periferia passou a ser acessada na internet, com notícias veiculadas semanalmente. Por caminhos diferentes, O VAI e a Agenda Cultural da Periferia, da Ação Educativa, acabaram se encontrando nesse esforço de afirmação da cultura de periferia.

Na semana passada falei da Virada Cultural e chamei a atenção para o fato de que a continuidade do evento corre risco, numa próxima gestão. Com o VAI esse rico é muito menor. Sabe por que? O VAI foi instituído, desde o princípio, como lei, formulada ao longo de dois anos, com amplos debates, até chegar ao texto final. Veja que círculo virtuoso. Uma lei feita com participação popular só poderia resultar numa política tão bacana.

Falei também da necessidade de a Virada Cultural ter mais participação na sua programação. Seria uma boa idéia a Prefeitura garantir espaço para os projetos do VAI nas 24 horas do grande evento cultural de São Paulo. Entre 103 iniciativas, certamente teremos muita, muita coisa boa para mostrar. Como diz o Célio Turino, coordenador do programa Cultura Viva, do ministério da Cultura, o VAI, assim como os Pontos de Cultura, são exemplos de políticas onde o Estado dispõe, ao invés de impor. Acredito na idéia de que Estado pode ser um importante agente estimulador da organização civil. Assim teremos um Estado forte com uma sociedade civil igualmente forte. A cultura está dando um excelente exemplo.

Nenhum comentário:

RECOMENDAR