arte na periferia

19 de junho de 2008


SACOLÃO DAS ARTES

Avenida José Cândido Xavier, 577 - (Entrada pela Rua Antonio Amaral)

Cep.: 05851-220 - Pq. Santo Antônio

São Paulo / SP

( (11) 5819.2564

____________________________________________________________________________

!Apresentações musicais uma hora antes de cada sessão!

____________________________________________________________________________

Quinta-feira 03 de julho às 19h00 – Sessão de Abertura

O homem que virou suco, de João Batista de Andrade

São Paulo, 1979, ficção, pb, 95' - 16 anos

A história segue Deraldo, um poeta popular nordestino recém chegado a São Paulo, onde tenta sobreviver de sua poesia e folhetos. Confundido com o operário de uma multinacional que mata o patrão, é perseguido pela polícia e perde sua identidade e condição de cidadão. Através de Deraldo, o filme acompanha o caminho do trabalhador migrante numa sociedade grande: a construção civil, os serviços domésticos e subempregos sujeitos à violência e à humilhação. E segue a luta de Deraldo para reconquistar sua liberdade e preservar sua identidade.

Sexta-feira 04 de julho às 20h00

Cão sem dono, de Beto Brant

São Paulo, 2007, ficção, cor, 87' - 18 anos

Cão sem dono é uma observação de um relacionamento amoroso, escrita com as cores íntimas de um retrato de geração. Narra o encontro entre Ciro, recém-formado em Literatura, que passa por uma crise existencial marcada pelo ceticismo e pela falta de planos, e Marcela, uma ambiciosa modelo em início de carreira, que se entrega de forma obsessiva ao seu trabalho e, com isso, adia para mais tarde a realização de qualquer sonho.

Sábado 05 de julho às 20h00

O céu de Suely, de Karim Aïnoz

Ceará, 2006, Ficção, cor, 88' - 16 anos

Dois anos atrás, Hermila partiu. A experiência em São Paulo foi boa mas a cidade era cara demais. Agora ela está de volta a Iguatu, no sertão cearense. A casa da avó Zezita, e da tia Maria, é acolhedora e confortável. Mas não demora muito e Hermila se dá conta de que precisa ir embora dali outra vez. Inspirada nas conversas com a amiga Georgina, ela adota o nome de Suely e inventa um plano audacioso para levantar dinheiro e conseguir viajar.

Domingo 06 de julho às 19h00

Zumbi somos nós, Frente 3 de fevereiro

São Paulo, 2007, documentário, cor, 52' - Livre

Manifesto sonoro e visual que traz as novas sonoridades e imagens urbanas, e seu elo indivisível com o legado afro-brasileiro. Espécie de bricolagem que une os tambores ancestrais, os ritmos contemporâneos e as novas simbologias visuais. Zumbi Somos Nós propõe uma reflexão sobre questões raciais na sociedade brasileira contemporânea e a criação de estratégias artísticas para responder a estas questões, inscrevendo na vida cotidiana novas formas de olhar, pensar e agir.

Quinta-feira, 10 de julho às 19h00 I Sessão Cine-escola I - 10 anos

O ano em que meus pais saíram de férias, de Cao Hamburguer

São Paulo, 2006, ficção,cor,106'

Em 1970, o Brasil e o mundo parecem estar de cabeça para baixo, enfrentando inúmeras crises políticas. Mas a maior preocupação na vida de Mauro, um garoto mineiro de classe média, de 12 anos e apaixonado por futebol e por jogo de botão, tem pouco a ver com a ditadura militar que domina o país. Seu maior desejo é ver o Brasil tricampeão mundial de futebol. Subitamente, ele se vê separado dos pais, que "saem de férias". Mauro vai morar na casa do avô que pouco conhece e é obrigado a se adaptar a uma estranha e divertida comunidade.

Sexta-feira, 11 de julho às 20h00 - 16 anos

Proibido proibir, de Jorge Durán

Rio de Janeiro, 2007, ficção, cor, 100'

Paulo está matriculado na faculdade de Medicina e faz residência num hospital público. Ele mora com Leon, estudante de Ciências Sociais, que, por sua vez, namora a futura arquiteta Letícia. Este é o triângulo principal do filme e, pelas ruas da zona norte carioca, tomam contato com a pobreza e a crueldade da vida real e adulta.

Sábado, 12 de julho às 20h00 - 10 anos

Fabricando Tom Zé, de Décio Mattos Jr.

São Paulo, 2006, documentário, cor, 88'

Documentário que retrata a vida e obra de um dos mais controversos Tropicalistas. O fio condutor desta história é a turnê que ele fez na Europa em 2005. O filme mescla diferentes formatos de vídeo, película e animação para formar uma detalhada visão do universo musical de Tom Zé, para o qual um baixo e um esmeril têm a mesma importância melódica. Em entrevistas intimistas, o músico fala de diversas fases de sua vida. Sem censura e de forma muito espontânea, ele conta como começou sua carreira na década de 60, fala abertamente do ostracismo nos anos 70 e de seu ressurgimento no início anos 90.

Domingo, 13 de julho às 19h00 - Livre

Preto contra branco, de Wagner Morales

São Paulo, 2004, documentário, cor, 55'

Uma tradição de três décadas é o ponto de partida do documentário. O filme discute o preconceito racial no Brasil usando como referência um "clássico" do futebol de várzea entre moradores de dois bairros periféricos de São Paulo. Desde 1972, um grupo de moradores do bairro de São João Clímaco e da favela de Heliópolis, maior favela da América Latina, organiza um jogo de futebol de brancos contra pretos, no final de semana que antecede o Natal.

Sexta-feira, 18 de julho às 20h00 - 14 anos

Madame Satã, de Karim Aïnouz

Rio de Janeiro, 2001, ficção, cor, 105'

Madame Satã é inspirado na vida da figura mitológica criada por João Francisco dos Santos, personagem da Lapa carioca dos anos 30, conhecido por sua valentia e malandragem. O filme revela seu cotidiano e extraordinário círculo de amigos ao seu redor, habitantes da "República da Lapa". Personagens que viveram em mundo às margens do Brasil oficial, em um cotidiano a parte – com suas próprias leis, códigos e rituais – um universo do qual Satã foi rei e rainha, satãno (a) e satanás.

Sábado, 19 de julho às 20h00 - 16 anos

Batismo de sangue, de Helvécio Ratton

Brasil/França, 2006, ficção, cor, 110'

Baseado em fatos reais, o filme conta a participação de frades dominicanos na luta clandestina contra a ditadura militar, no final dos anos 60. Movidos por ideais cristãos, eles decidem apoiar a luta armada e são presos e torturados. Um deles, Frei Tito, é mandado para o exílio na França, onde atormentado pelas imagens de seus carrascos, comete suicídio.

Domingo, 20 de julho às 19h00 - 16 anos

Saneamento básico - o filme, de Jorge Furtado

Porto Alegre, 2007, ficção, cor, 112'

Os moradores de uma pequena vila planejam a realização de um vídeo, apenas para pegar a quantia oferecida pelo governo federal e usá-la na realização de uma obra.

Sexta-feira, 25 de julho às 20h00 - 16 anos

Árido Movie, de Lírio Ferreira

Pernambuco, 2006, ficção, cor,115'

Um conhecido repórter do tempo retorna à sua cidade-natal, devido ao enterro de seu pai. Lá ele encontra uma parte da família a qual não conhecia, que lhe cobra que se vingue da morte.

Sábado, 26 de julho às 20h00 - 12 anos

Harmada, de Maurice Capovilla

Rio de Janeiro, 2005, Ficção, cor, 103'

Harmada aborda um tema universal: a luta de um homem que busca sobreviver e superar-se através da arte de representar e contar histórias. Baseado na obra de João Gilberto Noll, um dos mais consagrados escritores brasileiros, segue a trajetória, lúcida e alucinada de um artista, um cidadão sem nome, que se apresenta como Ator, flagrado num determinado instante da sua vida completamente derrotado, mas que encontra forças para se reconstruir e através de uma jovem, que pode ser a sua filha, formular um projeto que vai mudar o seu destino.

Domingo 27 de julho às 19h00 I Encerramento I

Terra em transe, de Glauber Rocha - 14 anos
Rio de Janeiro, 1967, ficção, pb, 105'

No país imaginário de Eldorado, em meio a uma disputa pelo poder, um poeta à beira da morte rememora sua participação em lutas políticas. Obra-prima de Glauber Rocha, o filme inaugurou um debate sobre o populismo no Brasil e foi o ponto de partida para o Tropicalismo.

Realização:

_______________________________________

Núcleo de Estudos e Realizações Audiovisuais Monte Azul

SACOLÃO DAS ARTES

Apoio Cultural:

_______________________________________

Nenhum comentário:

RECOMENDAR